quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Querer - 9ºpoema

Querer é uma arte, é saber
São dimensões do universo
Do amor, de bem querer
Assim o digo aqui em verso

Quero-te por uma noite
Mas incorrigível insatisfeito
Quero-te noite após noite

Quero contigo envelhecer
Todos os dias amanhecer
No teu sorriso me perder

Quero contigo adormecer

Velar o teu sono de princesa
Nos teus sonhos poder entrar
Aí admirar a tua beleza

Por menos não quero nada
Por mais já tenho tudo
Desde que te tenha a ti
Segura, dentro de mim

Poema de Luís Filipe Reis

6 comentários:

Anónimo disse...

Antes de mais felicitar o blog por finalmente conseguir colocar um poema com a estrutura devida.

O poema tem uma carga excessivamente melo-romântica e dramática, não é o meu estilo predilecto no entanto dentro do estilo que representa tem uma qualidade que pode ser de todo questionável.
A estrutura externa está irregular de mais. Um poema deste tipo deve ser simétrico, composto de preferência de quadras e não de uma mistura de quadras, tercetos e versos soltos. Há rimas visivelmente forçadas como é o caso de princesa e beleza.

Abstraindo-me do meu gosto pessoal passo a dar a pontuação

Estrutura externa: 1
Estrutura interna: 2
Musicalidade: 1
Simbologia: 1
Recursos estilísticos: 2

Total: 1,4


Marta Sousa.

Francisco Castelo Branco disse...

Marta

já o poema anterior estava com a estrutura normal. Bem como o anterior.....

Consegui descobrir ali uma tecla para endireitar tudo á esqueda...

Sandra disse...

SERÁ QUE O MEU TAMBÉM SERÁ ORGANIZADO, CHICO.
NA PRÓXIMA REENVIAREI CERTINHO.
AO TIRAR DIRETO DOS BLOG, VAI COM A CONFIGURAÇÃO TROCADA. EMBORA, DE UM COMPUTADOR PARA O OUTRO, JÁ DÁ A DIFERENÇA.
COM CARINHO
SANDRA

UM ABRAÇO A TODOS
SANDRA

Francisco Castelo Branco disse...

Sandra

o seu veio com a configuraçao correcta

o problema é que os paragrafos nao estavam alinhados á esquerda.

O primeiro e o segundo poema publicados sairam mal, o resto estão ok

Anónimo disse...

olá Marta,

Não que vá influenciar a tua pontuação mas porque gosto que tudo tenha a sua explicação, o poema tem três quadras e dois tercetos (4+3+4+3+4.

Luís

Anónimo disse...

A simbologia não deve ser usada só porque sim. Deve existir uma motivação para tal. Aqui não encontro motivação.

Marta Sousa

Share Button