terça-feira, 6 de outubro de 2009

Status Quo - Uma semana depois...

Decorrida uma semana após as eleições legislativas nacionais muito pouco mudou no panorama político nacional. Talvez a única excepção seja mesmo a luta interna (que desponta) no PSD, relativamente à sucessão a Manuela Ferreira Leite. Nomes como Paulo Rangel, Pedro Passos Coelho e agora Marcelo Rebelo de Sousa surgem como os “prováveis” a apresentar-se a votos nas directas que resultarão (quase não tenho dúvidas) da demissão da actual líder após serem conhecidos os resultados das autárquicas. Não me parece que os resultados das autárquicas possam salvar a face MFL. É certo que o PSD conseguiu um bom resultado nas europeias, mas é também certo que se considerarmos a elevadíssima abstenção e a prestação, no mínimo fraquinha, de Vital Moreira, apesar do mérito de Paulo Rangel, o resultado revela-se falacioso. Não obstante, adivinha-se um bom resultado para o PSD nas eleições autárquicas que será, diga-se, a terceira derrota eleitoral consecutiva para Sócrates, mas que não se poderá traduzir necessariamente numa vitória para MFL. Espremida a laranja, o balanço para MFL é negativo. No principal combate claudicou. Nem pode alegar ter tirado a maioria absoluta a Sócrates como “atenuante”. Não ponho em causa as capacidades políticas de MFL, no entanto falhou. Falhou redondamente e agora perdeu o seu espaço. Dos nomes que têm sido referidos, julgo que, apesar de Marcelo vir baralhar um pouco as contas, a vitória não escapará a Passos Coelho. Creio que ficou a clara sensação que os resultados poderiam ter sido bem melhores para o PSD caso Passos Coelho se apresentasse a votos. Ainda assim, esse exercício é meramente especulativo, uma vez que apesar de ser um político muito promissor, a verdade é que ainda é um ilustre desconhecido para a generalidade dos portugueses. Relativamente ao PS e, mais concretamente, Sócrates e a composição do novo governo, aguardo com expectativa para ver se se confirma a promessa de novos ministros. Será uma dança de cadeiras ou veremos mesmo caras novas? Quanto a Cavaco, confesso que não compreendo mesmo qual a intenção do PR ao proferir uma declaração tão pouco clarificadora. Penso que o país ficou na mesma e cada partido interpretou as palavras do PR como lhe deu mais jeito. Muito estranho as atitudes de Cavaco nos últimos tempos. Ou tem algo a dizer verdadeiramente importante e di-lo de uma forma clara e inequívoca ou então não tem e nesse caso deve estar calado. De qualquer modo, arrisca-se a não conseguir a reeleição (embora vá acontecer muita coisa ainda). Os próximos capítulos serão ricos em intriga e mistério. Penso eu. Uma nota final para o resultado muito positivo no Referendo Irlanda ao tratado de Lisboa. Ultrapassou-se um obstáculo enorme à continuação do aprofundamento da integração europeia. No entanto, mais dois se levantaram. Chamam-se Polónia e República Checa. Nessa matéria, reservo-me o direito a não fazer prognósticos.

3 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

Achas mesmo que Passos Coelho ganha a Marcelo?

Duvido...

Só em relação a MFL, acho que foi o PSD todo que falhou. Mais uma vez.
Pacheco Pereira incluido.
É que desta vez MFL teve o partido todo a seu lado e nao aproveitou. Mas mesmo assim, a derrota é geral e nao pode apenas ser imputada MFL...

Novo governo? Acho que Socrates aprendeu com os erros Maria de Lurdes Rodrigues e Mario Lino.
E penso que nao voltara a cometer bacoradas destas no executivo.
Penso ser importante a manutençao de Teixeira dos Santos no governo.

Referendo? Espero que o novo tratado traga uma europa mais justa e equilibrada.
Quanto aos dois casos acima referidos acho que nao vai haver problemas

Marco Daniel Raposo disse...

Acho que sim, que Passos Coelho ganha a Marcelo, até porque Marcelo já foi líder. Há a sensação de que o seu tempo já foi. Além disso não o consigo ver como chefe de governo. Talvez mais como PR.

Quanto à responsabilidade pela derrota eleitoral, é óbvio que a responsabilidade não é única e exclusiva de MFL. Nunca é! Mas, apesar de não concordar com a tua observação de que MFL tinha o partido todo do seu lado (Ostracizou Relvas, Passos Coelho e Menezes, militantes que congregam apoios significativos)concordo que tinha, em teoria, condições favoráveis para obter um resultado bem melhor. De qualquer maneira, quando tem que rolar cabeças, normalmente a primeira é a do líder.

Creio que aqui não será excepção.

Francisco Castelo Branco disse...

Marco

MFL teve todos os expresidentes à sua volta.

Marcelo, Balsemao, Mendes....só nao teve Menezes , mas este nunca teve com ninguem...

Deve ter sido a unica Presidente a contar com todos os ex- Presidentes.

E até Cavaco lhe deu uma ajudinha lol...

Teve os pesos pesados do partido incluindo Pacheco Pereira.
Que voltou a politica...

Teve Aguiar Branco, Arnaut, Morais Sarmento, Antonio Borges, Rui Rio e até Paulo Rangel que se esqueceu que fora eleito eurodeputado.

Com isto tudo, acho q MFL deveria ter feito muito melhor.

Agora sim o Partido vai dividir-se outra vez

Share Button