Etiquetas

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

ESPECIAL LEGISLATIVAS - AS MENTALIDADES

1 – Mentalidade é a característica resultante da sedimentação geográfica, histórica, religiosa, cultural, económica de um povo ao longo de gerações. Enfim, um “acquis” muito complexo que não se reforma por lei. As mentalidades evoluem muito devagar. De vez em quando dão saltos, mais ou menos violentos. Foi a época dos Descobrimentos, o “século das luzes”, o terramoto de 1755, a Revolução Francesa, o Estado Novo e o “25 de Abril”, por exemplo. Há, no entanto, algo que se mantém como herança genética de um determinado povo e que persiste no tempo, para além de todos os factos e independentemente de todas as razões. A mentalidade é aquilo que nós somos como povo, mesmo que não o queiramos ser individualmente.
2 – E afinal o que é a mentalidade do povo português? Muito se tem escrito sobre a matéria e não serei eu, agora, a fazer grandes revelações. O meu contributo é simples. Não vejo grande diferença entre a mentalidade de um português ou a de qualquer outro povo dito ocidental. Não é o facto de gostarmos de bacalhau ou de sardinhas ou de termos a melhor luminosidade da Europa que nos faz diferentes. Não é o facto de termos saudades permanentes de qualquer coisa, seja lá o que for, que nos distingue dos outros. Tudo isto são, apenas, meros detalhes. Detalhes que enfatizamos excessivamente em conversas sociais, mas que, de facto, valem zero. Não é mesmo a apregoada falta de planeamento e o tradicional desenrascanso que nos caracteriza como povo. Há ideias feitas que são erradas. Sabemos planear tão bem como os melhores e já vi ingleses e alemães desenrascarem-se muito razoavelmente. Então o que será a mentalidade portuguesa?
Há em nós uma tendência melancólica e saudosista que culmina num pessimismo latente. Será talvez o Império que não se cumpriu. Porventura uma excessiva colonização inglesa desde o Tratado de Metween. O complexo “espanhol” sempre latente. A sensação de que o nosso tempo já passou. A verdade é que Portugal, a partir de 1580, deixou de saber qual era o seu papel. Este é o problema da mentalidade portuguesa: ter sido e já não ser; não ser e não saber o que quer ser. Precisamos de urgentemente de uma dose reforçada de optimismo e, acima de tudo, de um rumo estratégico.
3 – Para finalizar, não resisto a uma pequena provocação. Tenho para mim que os portugueses de meia-idade e com uma escolaridade anterior ao 25 de Abril (eram poucos, eu sei) terão mais cultura geral do que a média dos outros povos ocidentais. Isso, no entanto, não lhes altera a mentalidade. Aparentemente até foi prejudicial. Continuamos pequeninos, mesquinhos e com a impressão de que todos acham que somos espanhóis. Será que as novas gerações vão ter o mesmo problema? Creio que ele se vai esbater e muito. A ignorância cultural dessas novas gerações, nomeadamente em História, talvez traga como contrapartida positiva não lhes criar uma barreira cultural à entrada. Portugal precisa, urgentemente, de transformar a luz que sempre teve na claridade que apenas espreitou.
Jorge Pinheiro

7 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

Jorge uma excelente entrada e um tema muito bom para iniciarmos estas jornadas dos principais problemas do pais

vou começar por responder a algumas partes do texto. Depois com o decorrer da discussão, lançarei novos temas

"Não é mesmo a apregoada falta de planeamento e o tradicional desenrascanso que nos caracteriza como povo"

Isso é uma grande caracteristica nossa. Ser desenrascado e nada metódico. Como os alemaes e Ingleses.
Isso é chato e quando falha alguma coisa podemos não saber o que fazer.
Como somos desenrascados temos sempre alternativa. Se uma coisa nos corre mal procuramos sempre outra solução..

Francisco Castelo Branco disse...

"Há em nós uma tendência melancólica e saudosista que culmina num pessimismo latente. Será talvez o Império que não se cumpriu"

Não podia estar mais de acordo. Noto muito nas pessoas de 40´s e 50´s esse saudosismo. Mas também um saudosismo dos tempos da ditadura. Dos tempos em que havia classes sociais, em que existia a dita "autoridade". Em que o nosso país era "orientado" para determinados valores como Deus, Pátria e Familia.
Tudo isso ainda pesa nas pessoas mais "velhas".
E com a mudança de tempos, de mentalidades(principalmente dos mais jovens) ficaram assustados. E por isso é que se ouvem frases como "geração rasca"; "não querem saber de nada". Não é verdade.
Esta geração á qual eu orgulhosamente pertenço, sabe mais. Tem mais liberdade. Quer fazer as coisas sozinhas.
E mais. Tem muito mais cultura e saber do que se pensa.
O facto dos blogues terem nascido também tem a ver com isso.
Também ouço muitas vezes pessoas a dizerem que Portugal vive muito o fantasma dos descobrimentos.
Porque como fomos povos dominadores do Mundo, também temos que ser agora. Nada disso.
Portugal e o seu povo têm que ser unicos. E de facto. Não temos que ser maiores que os espanhois ou tao ricos financeiramente como os alemaes.
Portugal tem uma beleza enorme. Uma costa de Norte a Sul com praias, é de aproveitar.
Não temos que voltar a liderar.
Temos que ser nós. Genuinos como somos.
Se queremos ser iguais aos outros, nomeadamente aos espanhois, estamos a perder a nossa identidade. E mais do que identidade é a cultura. Portugal é um dos paises da Europa com mais cultura.

Francisco Castelo Branco disse...

"Continuamos pequeninos, mesquinhos e com a impressão de que todos acham que somos espanhóis. Será que as novas gerações vão ter o mesmo problema?"


Pequeninos e mesquinhos? acho que isso se deve a uma certa inveja. Porque o parceiro do lado conseguiu subir e eu não. Então eu vou prejudicá-lo e não imitá-lo ou "copiá-lo" para também ser bom.

Damos pouco valor ao que temos e só queremos ter o que os outros têm.


Novas gerações? Acho que não. Tenho a certeza.
As novas gerações são mais lutadoras e eficientes. Sabem o que querem e lutam pelos seus objectivos.
Não são comodistas como a maioria das pessoas ditas "mais velhas".

Maria Augusta disse...

Gostei do tema, que me permitiu conhecer um pouco mais do sentimento dos portugueses em relação ao seu país. E em relação à mentalidade que os portugueses passaram aos brasileiros, o que dizer? Certamente uma nostalgia, mas não do passado mas sim do futuro...pois sempre ouvimos que o Brasil "é o pais do futuro"...mas como ele está demorando para chegar rs.
Parabéns pelo post e abraços.

P.S.: O que é "desenrascanso"?

Francisco Castelo Branco disse...

Maria Augusta

de facto, os brasileiros têm uma visão diferente. Olham mais para o futuro, e ligam pouco ao passado. Penso eu.
Os brasileiros são mais abertos e activos.

PS- Desenrascanso é tornar uma situaçao dificl numa fácil. Usar processos simples.

Helena Oneto disse...

Excelente debate para olhar direito. Duas visões que vão direito ao problema. Estou 80% de acordo com o Jorge e acho a intervençao/resposta do Francisco Castelo Branco muito pertinente. Para seguir de perto !

Francisco Castelo Branco disse...

Helena

Bem vinda a este espaço.
Não acha que ainda estamos demasiado agarrados a certos valores?

Faço a pergunta de uma forma geral...

Share Button