quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Tema do Dia II

"A Igreja e o Estado: Ainda faz sentido falar

em separação de poderes?

e de Ideias?"

Janeiro 2009

9 comentários:

Daniel Silva (Sair das Palavras) disse...

Não vejo que se imiscuam (Igreja e Estado).

O Estado é laico, mas tal não significa "impedir" o sentir so povo (maioritariamente catolico). Quem compõe, quem forma o estado? Os cidadãos... E numa democracia respeita-se a vontade da maioria.

Mas não há poder interligado. A Igreja existe como denunciadora das injustiças sociais e substitui-se a muito de que devia caber ao papel do Estado (apoio a mães solteiras, toxicodependentes, violência domestica, idosos, sem-abrigo...) e por isso tem toda a legitimidade para chamar a atenção aos mais carenciados, aos mais pobres e opinar quando entender que se justifique.

Francisco Castelo Branco disse...

A Igreja nomeadamente o Vaticano imiscui-se muito na politica.
Os alertas que faz são politicos, na sua essência.

As mensagens nomeadamente no Ano Novo e Natal têm efeitos e alcances politicos.

É nesta prática que desconfio e é pouco aceitavel

expressodalinha disse...

A igreja tem um papel político evidente. Directo, enquanto estado do Vaticano; indirecto, enquanto enquadradora da moral reinante no ocidente. Acresce a tradição, que vai no sentido intervencionista. O estado é laico, mas a moral do estado não!

Francisco Castelo Branco disse...

Por muito que o estado seja laico, há sempre interferências da Igreja

Em Portugal isso era evidente no Estado Novo.

Nos dias que correm, a pressão é menor mas existe
Relembro os casos do Aborto e as frequentes mensagens catolicas na quadra natalicia.

E o representante judaico e muçulmano em Portugal nao podem fazer ou nao tem o mesmo impacto porque?

Francisco Castelo Branco disse...

Agora pergunto:

Ainda será Portugal um Estado demasiado católico?

Francisco Castelo Branco disse...

O que pode existir e isso é óbvio é uma separação de poderes..

mas de ideias ainda estamos um bocado atrasados e o Estado ainda depende muito da Igreja....

Isto verifica-se muito na Europa, onde a doutrina social cristâ é bem visivel... E o "condicionamento" ao Vaticano ainda se sente

Nos paises muçulmanos, então existe mistura entre a igreja ou a mesquita e os Estados

expressodalinha disse...

E nos USA ainda é pior. Com o Bush até estavam no governo!

Francisco Castelo Branco disse...

Lá está mais um caso em que existe promiscuidade entre politica e Igreja....

Nos EUA, as pessoas são muito conservadoras e é importante o apoio da Igreja

Lembro-me de no livro de Joao Gabriel sobre Sampaio, ele ter referido que o Ex-Presidente era ateu e que isso foi alvo de "chacota" na campanha por parte de Cavaco Silva

Space_aye disse...

Infelizmente ainda somos um estado semi-laico.
Há ainda muito caminho pela frente para estarmos ao pé de uma França ou Suécia, os países mais laicos do mundo.
Mesmo de Espanha estamos distantes.
Ainda obedecemos a uma Concordata com o Vaticano (cheia de privilégios para a ICAR), temos capelães militares e hospitalares, e muito tempo de antena para a igreja católica.
Também não sei o que faz um bispo de um lado para o outro atrás do presidente da República.

Share Button