Etiquetas

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Senhor Cinema

Morgan Freeman é um actor exemplar.
Excelente nas personagens que interpreta, é daqueles casos em que actor e personagem são um só.
Em quase todos os filmes que fez, pelo menos nos mais conhecidos; interpreta papeis de um enorme caracter e profunda humilade. Estas duas caracteristicas marcam o estilo das personagens de Freeman.
São na maior parte das vezes, personagens que apelam á humildade, ao caracter, ao bom senso. Muitas vezes ficamos sensibilizados e com apego ás suas personagens. Sempre muito interventivas, dando bons conselhos e chamando sempre á verdade e à razão quem é visado nos seus filmes.
Normalmente certos actores interpretam papeis que nada têm a ver com a sua maneira de ser, ou com a sua personalidade. Não parece ser o caso de Morgan....
Desde que se estreou em 1980, Morgan Freeman já fez mais de 50 filmes

Destacam-se os filmes : Sete Pecados Mortais, Evan o todo-poderoso, Imperdoavel, O Cavaleiro das Trevas, Nunca é tarde demais, Gone Baby Gone

Também é grande a sua apetência para fazer de narrador em grandes filmes como A Guerra dos Mundos e a Marcha dos Pinguins

13 comentários:

Sair das Palavras disse...

you bet

expressodalinha disse...

Um grande actor.

Francisco Castelo Branco disse...

e uma excelente pessoa, a verificar pelos filmes que fez....

Paula F. disse...

Analisar uma pessoa pelo seu desempenho profissional e, neste caso, extrapolar o carácter de alguém a partir das personagens que representa é perigoso, estranho e pouco honesto. Morgan Freeman é um grande actor. Mas as personagens que representa foram criadas por outros. Não fazem parte dele... Parece-me um salto no escuro fazer esse tipo de extrapolações. É o tipo de raciocínio enviezado que, no Brasil, origina ataques a actores que estão a representar papéis de «gente má»...

Francisco Castelo Branco disse...

Paula F

Quem aceita os papeis para fazer essas personagens é porque acha que as "personagens" têm alguma coisa a ver com os actores.
Por isso é que são aceites...

E isso nota-se em Morgan Freeman e nas suas personagens

Paula F. disse...

Acha realmente isso????!!!!!

Permita-me dizer-lhe que é um lírico se julga que os actores não são como todas as outras pessoas: gente que trabalha e precisa de ganhar dinheiro.

Há actores que aceitam papéis muito diferentes e até verdadeiramente antagónicos. Muitos esquizofrénicos teríamos em Hollywood se realmente fosse como julga.

A beleza e magia de ser actor é precisamente conseguir vestir a pele de outro. Se os actores fossem como diz, não estariam a fazer nada de extraordinário nem se lhe chamaria arte.

Ainda há demasiadas pessoas neste mundo que julgam que «o hábito é que faz o monge»... E com isso enleiam-se em aparências e deixam escapar tudo o que é essencial.

Francisco Castelo Branco disse...

Então como explica que há papeis que cabem tão bem a certos actores? como por exemplo a Morgan Freeman.....

Não é por fazer de vilão que se vai "adulterar" a personagem. Por detrás de um vilão está sempre algo.
E isso nota-se no papel que Freeman desempenha em Gone Baby Gone.....

Eles claro que querem ganhar dinheiro, mas quem escolhe os actores é a direcção e produção do filme.

Paula F. disse...

Vou contar-lhe um segredo... Não são os papéis que cabem bem nos actores, vá por mim: são os actores que acentam que nem uma luva nos papéis simplesmente porque são excelentes na sua profissão.

Muitas vezes quem escolhe os actores é o realizador (que já tem uma ideia do que quer para as personagens e já idealizou o filme) com a ajuda de especialistas em casting. Hoje em dia os produtores já não interferem como antigamente, pelo menos quando estão envolvidos realizadores conceituados (porque estes não o permitem).

Existem pessoas fantásticas que têm uma capacidade enorme para recriar personagens e para se transformar e esses são os tais actores como o Morgan Freeman. Veja o caso do Gary Oldman ou do Christian Bale (que pode parecer deslocado no meio dos outros exemplos mas que é de facto um actor com um empenho e dedicação ao seu trabalho pouco vistos): são actores que até fisicamente se tornam quase irreconhecíveis quando vestem uma personagem. E, porque são muito bons, para entrar na personagem, deixam completamente de lado tudo o que é seu (se é que me faço entender).
Lamento, mas não posso concordar com a sua interpretação, simplesmente porque seria muito redutora para as pessoas que estão por detrás das personagens e para a sua arte, que verdadeiramente aprecio. E nisso concordamos: como actor, Morgan Freeman é excelente. Como pessoa? Não faço a mínima ideia.

Francisco Castelo Branco disse...

mas acha que Freeman aceita todo e qualquer papel?

Não me parece. O que me parece é que não é freeman que vai ter com os realizadores, mas sim o contrário.

Já o caso de Christian Bale pode ser diferente.
Veja que fez o Batman e o comboio das 3:10. Papel completamente distintos....

Está a ver Jim Carrey a fazer a saga Rocky? ou o Homem Aranha?

Porque será que sagas como Indiana Jones, Rocky e RAMBO vão acabar?
Porque os seus actores estão a envelhecer e a personagem não encarna naqueles actores

Este post veio a propósito, porque no famoso 35MM de Mário Augusto, Morgan Freeman disse que logo que viu o papel aceitou logo. Não sei qual era o filme. Talvez Gone Baby Gone.

A verdade é que nas personagens de Freeman vimos sempre as caracteristicas atrás enunciadas. E isso deve ser por alguma coisa.

Não o estou a fazer de Joker em Batman...

Paula F. disse...

O Morgan Freeman é de uma escola de actores antiga: não faria o Joker mas isso nem sequer abona em favor dele como profissional versátil. Claro que, hoje em dia, ele (já) não aceita qualquer papel. Se calhar a sua resposta apenas me leva a concluir que Morgan Freeman, sendo um excelente actor, tem limitações e reconhece-as: só aceitando papéis que são uma repetição de outros que já fez anteriormente. Com a idade e o estatuto que tem, para quê arriscar e fazer algo completamente diferente?

Nenhum actor vai ter com os realizadores. Há castings. Há poucas escolhas automáticas. Quando muito, o realizador convida um determinado actor para prestar provas para um papel e só depois é que decide. E, é claro, que o actor também é livre de não querer o papel A ou B (por variadíssimas razões, sendo uma das plausíveis o não se considerar à altura do papel).

O Jim Carrey já fez papéis dramáticos e só não o acho adequado para o papel de homem aranha porque é muito alto e já passou um pouco da idade de referência do Peter Parker. Tenho a certeza que ele seria capaz de criar um super-herói credível.

Rocky? Rambo? Felizmente que vão acabar. Para a má qualidade desse tipo de «sagas» tenho a certeza que se encontravam imensos aspirantes a actores que fossem capazes de o fazer. Vão acabar porque já NINGUÉM as quer ver.

O Indiana Jones é outra história: não sei se acabará definitivamente. Mas o último filme não esteve à altura dos mais antigos. Mesmo assim agradou. Não me parece linear que acabem a saga.

Acabámos por nos afastar do tema: só não concordo que uma personagem demonstre a personalidade da pessoa que está por trás da mesma ou tenho que assumir que Anthony Hopkins, como pessoa e na vida real, seria para si um misto de sereno gentleman e psicopata alucinado.

Francisco Castelo Branco disse...

nao estou a dizer que MOrgan tem limitações. Nem é a esse ponto que quero chegar...

Para (talvez) finalizar acho que muitas vezes a personagem demonstra a personalidade da pessoa.
E é isso q acontece a Morgan Freeman.
Tal como a Jack Nicholson, Nicole Kidman....

Porque razão as sagas têm sempre o mesmo actor?

Falou e bem no Homem Aranha....

É porque Tobey Maguire encara o homem das aranhas.
Se nao o fizesse talvez ja tinha sido posto de lado

Paula F. disse...

Considero que a sua argumentação perdeu totalmente a credibilidade. Termino portanto, por aqui:

Não sei se - na vida real - o Jack Nicholson é meio louco, nem se é agressivo ou má pessoa. Só sei que é brilhante, nomeadamente em papéis que indicam algum tipo de desiquilibrio mental/emocional. Espero sinceramente, para bem do senhor, que essas personagens não tenham nada a ver com a sua verdadeira personalidade.

As sagas não têm sempre o mesmo actor. Não sei onde foi buscar tal ideia. Muitas sagas mudam o actor (Batman, 007, etc).

Quanto ao Tobey, que ainda é muito jovem para poder ser comparado com os que temos falado: Tobey Maguire tem um currículo muito extenso no qual não se inclui apenas a representação mas também a produção de alguns filmes. Talvez devesse informar-se melhor antes de achar que, caso ele não estivesse a fazer o homem-aranha, estaria «posto de lado».

I rest my case...

Francisco Castelo Branco disse...

Paula F

o meu "posto de lado" foi em sentido figurativo.
Acho que isso nao tem nada a ver com credibilidade. Tem a ver com opiniões!

O objectivo deste post foi elogiar Freeman como actor e pessoa.
E na minha opinião, os papeis acentam-lhe que nem uma luva!
E isto porque?

Porque não é qualquer papel que Freeman vai fazer.

Porque "normalmente" e é assim que acontece, sao os produtores e realizadores a ir terem com os actores. E nao o contrário.
E possivelmente, como Freeman tem a categoria que se lhe conhece, pode-se dar ao luxo de escolher os papeis que quer fazer ou nao!

E muitas vezes as personagens são criadas também com base nos actores.

E dei-lhe exemplos de sagas, Rocky, Indiana Jones, John Rambo e tb Homem Aranha em que não sendo "aquele actor" a fazer o papel a saga acaba. ou deixa de ter audiencia. E porque é que a saga acaba? porque aquele papel acenta que nem uma luva ao actor X,Y,Z

O Batman é diferente. Estamos perante uma personagem da BD em que nao se ve a cara, nem o principal é o caracter nem a personalidade.

Share Button