Etiquetas

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Olhar o livro

Um grupo de juizes- 15 mais precisamente - decidiram despir as becas e pegar na cneta e vai de escrever 15 contos. São os mesmos sobre experiências de vida profissional, casos de tribunais, vivências e marcas que os memsos lhes deixaram.
Digamos que é uma visão do outro lado do espelho.
Só para abrir o apetite. AH! E quero que saibam que, esses mesmos juízes decidiram que
Todos os lucros da venda do livro revertem para
associações de solidariedade social.
***
DESCUBRAM-NOS "A fazer de contos" e "A contos com a Justiça" ;-)
Deixo-vos aqui um pedacinho de um dos contos... ______________________
(...)“Entre o medo diligente e o discernimento vazio, segui o conselho. Disse ao homem que não o matava, que arriscava a sua raiva, que talvez merecesse o seu desprezo e a sua re­volta. Disse-lhe que deixava a pistola e que partia. Era altura de ser ele a decidir. Ele que fizesse de juiz! Ele, nada! Acrescentei a hipótese derradeira. Se ele assim o queria, eu tinha muito gosto em levar--lhe o livro de memórias e publicá-lo, fosse em seu nome, fosse no meu. Havia de servir ao seu renascimento. Ele, nada! Peguei no livro e larguei a arma. Despi a camisola e iniciei o regresso. O homem não disse nada e o homem nada fez. Uns fios de luz refulgiam ténues no horizonte. Vinha aí um dia novo. Ai, Juventude. Não sabia se chegaria à fortaleza,.... Não sabia quantos pares de passos ainda daria em vida.”(...)
"O Lugar do Vivo" José António Almeida

10 comentários:

Adriano Queiroz disse...

Bela atitude.
Juízes sensíveis.

Abraços.

Cleopatra disse...

Leia. Vai ver que gosta dos contos.
:-)

Ferreira-Pinto disse...

É uma obra de leitura agradável e interessante.

Francisco Castelo Branco disse...

e se os juizes contassem as peripécias da sua profissão em livro?

Podiam?
Uma espécie de memórias como fez o Juiz Baltasar Garzon

Rafeiro Perfumado disse...

Espero que o juiz que deu ordem de prisão a um cidadão que lhe chamou mal-educado não faça parte deste grupo. Importa dizer que o dito juiz pretendia furar uma fila de multibanco...

Cleopatra disse...

Olá Adriano!
os Juizes são sensíveis e preocupados. Como os outros! ;-))

Ferreira Pinto, já vi que conhece. ;-))

Xiquinho ou Xicão Ou FranK ou Franciaco, estes contos são peripécias da nossa vida profissional. O meu conto, sim que também lá tenho um fala de um julgamento que fiz por duas xs... Santo Deus!! Ficou-me na memória.


Rafeiro Perfumado... eh eh eh
Não sei. Não conheço o senhor, mas penso que se ele não tem tempo para esperar na fila, não tem tempo para escrever! ;-))

Cleopatra disse...

Francisco,,,,Ok Francisco!

Francisco Castelo Branco disse...

lolol

Muitos nomes já me foram atribuidos....

Como quiseres lol

Esse livro é transformar os julgamentos em contos?

as situações vividas em contos?

Cleopatra disse...

Yes!!
Julgamentos, histórias verdadeiras a fazer de conta que são contos.
A maioria muito bem escritos.
Não é o caso do meu.
Mas Vossas excelências dirão de vossa justiça!!

Francisco Castelo Branco disse...

é bastante interessante a ideia

mas se fosse mais uma narrativa se calhar tinhamos uma ideia mais precisa dos sentimentos,opções e caracteristicas dos juizes

mas é uma bela ideia

Share Button