Etiquetas

domingo, 7 de dezembro de 2008

OLHAR A SEMANA

A meio da semana um cidadão anónimo entrevistado em directo para o telejornal, a propósito da descida continuada da taxa Euribor, afirmava entusiasmado: “Vou passar a pagar menos 70€ por mês no empréstimo da casa”. “E o que vai fazer?”, interrogava-se a repórter esperançada numa resposta economicamente correcta. “Bom, vou poder jantar fora mais três ou quatro vezes.”!!! Toda a presente crise está nesta simples resposta. Uma crise lenta e subreptícia que vai minando as estruturas do sistema capitalista em que temos vivido. Vai-as consumindo em lume brando. Nada de “crashes” ou banca rotas catastróficas. Não vai haver 6ª feiras negras ou suicídios de tubarões da finança. Hoje um banco. Amanhã uma seguradora. Depois uma fábrica de carros. Mais três PME’s. O desemprego aumenta gradualmente. A sopa dos pobres ganha novos clientes... Um vírus que alastra. Devagar, devagarinho. Os telejornais vão-nos adormecendo o pânico. Os milhões injectados pelos Estados vão esticando a crise. Chegaremos ao ponto de indiferença. Estamos a ficar fartos da crise. Das notícias da crise. Dos debates sobre a crise. Que interessa saber se a culpa foi dos Reguladores ou dos especuladores? No fundo queremos é ir jantar fora!
A recessão foi esta semana oficialmente declarada nos USA e na EU. Em Portugal vai chegar atrasada, como tudo o resto. Devagar, devagarinho lá chegaremos. Um dia os três ou quatro jantares extra, poderão ser de couves com batatas, mas o nosso anónimo vai continuar a achar que não há crise desde que vá jantar fora. E de facto, nessa altura já não vai haver crise. Vai haver mera subsistência!
Apetecia-me ficar por aqui, mas não resisto a três notas finais:
- A situação na educação atingiu tal confusão que pergunto: os putos não podem fazer greve?
- Ouvi dizer que as mudanças de sexo são comparticipadas a 100%. A ser verdade (e agradeço que me confirmem) o lóbi gay está decididamente implantado na machista sociedade portuguesa a níveis nunca imaginados;
- Porque quer o PS confrontar o PR a propósito do Estatuto dos Açores? A teoria de eleições antecipadas do Sr. Lopes é demasiado óbvia. Será que, se confirma que em política tudo o que parece é?... E o que tudo isto tem a ver com a crise?
Já agora, fiquem a saber que fez hoje 823 anos que faleceu Afonso Henriques, o pai da nação.
Jorge Pinheiro

5 comentários:

Eduardo P.L disse...

Jorge, os efeitos desta CRISE irão bem além das mesas dos restaurantes!
Não se faz mais putos ( no sentido Português do termo) como antigamente. Estes nem sabem o que é uma greve!
A sociedade portuguesa esta se integrando ao MCE inclusive com relação aos casamentos gays! Isso é bom!Para os gays...
E quanto aos 823 anos passados, nem restos dos ossos de Afonso Henriques deve existir!...
Muito boa essa idéia de uma crônica semanal. Parabéns ao OLHAR DIRETO!

Francisco Castelo Branco disse...

Jorge a crise em Portugal vai chegar atrasada ou adiantou-se?

expressodalinha disse...

Francisco: sabes que os extremos tocam-se...
Eduardo: pois é, esta crise é muito estranha. Mas vai ser muito dura. A questão dos gays só me faz confusão na medida em que querem ter mais direitos do que os hetero. Esta das operações, a ser verdade, ultrapassa tudo, visto que as operações estéticas (salvo casos de acidentes) não são comparticipadas.

Majo disse...

Ouvi algures esta semana que acabou (e digo ouvi pk em termos de notícias do dia-a-dia sou uma espécie de "alien" porque raramente vejo os "telejornais") que iamos entrar numa fase de recessão...
E a minha resposta foi: "Mas qual recessão? A que já estamos a atravessar há anos???"
E o meu interlocutor não me respondeu... pois... É um dos casos que mede a crise pelas vezes que janta fora ou vai para a noite apanhar bebedeiras com bebidas caras.

expressodalinha disse...

Nem mais, Majo.

Share Button