segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Info dependentes?

Manuela Ferreira Leite veio recentemente a afirmar que não pode ser a comunicação social a escolher aquilo que vai passar. O tema é concorrente e já falámos aqui dele. Mas como "quase" todos os dias temos queixas vindas da comunicação social, continuamos a divagar sobre o tema.... É hoje notório que não conseguimos "viver" sem a presença dela. Para nos manter informados, da comunicação social nós precisamos. Para saber dos resultados desportivos, é necessário a sua consulta. Para conhecermos o estado do tempo, transito, horários de cinemas, localizações uteis não podemos viver sem ela. Será que estamos dependentes dela?

O antigo Quarto Poder transformou-se no Primeiro. Ela faz cair Primeiros-Ministros; destroi carreiras de jogadores, eleva á fama certas pessoas mas rapidamente as destrói. Nos tempos que correm, tudo gira á volta dela, e tudo passa por ela. Podendo modificar e alterar para que quem vê, lê, escuta ou procura, acredite e fique "domesticado"....

6 comentários:

expressodalinha disse...

O paradoxo dos media é que a democracia não pode existir sem eles e, simultaneamente, eles dão cabo da democracia.

Francisco Castelo Branco disse...

da democracia, do desporto, das pessoas, no fundo de nós todos....

Quanto tempo perdemos nós com os media?

e o que poderiamos fazer se nao estivessemos a ver tv? ou na net?

roubou tempo á conversa? ao contacto humano? ás saidas?

expressodalinha disse...

Sem dúvida. Mas tb. alargou horizontes.

Jorge disse...

O problema é que a qualidade destes media é confrangedora. Não se pode ser isento sem informação e ao que nós assistimos é pura desinformação. E assim não vale a pena perder tempo. Dei este exemplo ontem: tanta conversa sobre o estatuto do aluno e não vi uma única peça jornalística em que tivesse sido analisado o próprio estatuto. Transmite-se o que a ministra disse. O que o secretário de estado disse. O que a CONFAP disse (valha-nos deus!). Mas nenhum jornalista se deu ao trabalho de ler o próprio estatuto.
Se é para isto que damos liberdade aos media...

Francisco Castelo Branco disse...

Transmite-se o que quer sem rigor jornalistico

E quando ser quer atingir uma classe ou alguém em particular, consegue.se

Francisco Castelo Branco disse...

no blogue 25por cento a sua autora Sofia Simoes de Almeida faz uma referência a este post

aqui neste link:

http://25porcento.blogspot.com/2008/11/aos-jornalistas-do-futuro.html

Obrigado á autora pela menção....

Respondendo a algumas das perguntas , e nao sendo jornalista; acho que os jornalistas têm essa noção e por isso é que fazem a noticia "á" sua maneira, conforme os seus ideias.
Jornalistas e redacções.
Cada vez mais!!!!!

é o poder da comunicação social, da qual não estamos totalmente livres nem independentes...

Share Button