Etiquetas

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Albert Einstein - o génio dos génios

Albert Einstein nasceu a 14 de Março de 1879 na Alemanha.

Um dos primeiros sinais da sua inteligência foi que nos primeiros anos da sua existência já provocava comentários. Tinha uma cabeça fora do comum (para armazenar muita sabedoria....); nunca falou até aos 3 anos de idade. Mas aos 12 aprendeu sozinho a Geometria Euclideana. Cresceu no meio da musica e da leitura, não gostando de praticar desportos. Após se ter graduado em 1900, não foi na opinião dos seus professores um grande aluno...

Douturou-se com uma dissertação sobre a dimensão das moléculas. Realizou três grandes trabalhos: Sobre o Movimento Browniano, Efeito Fotoeléctrico, e "Sobre a electrodinâmica dos corpos em movimento" mais conhecida como a Teoria da Relatividade Especial. Desta teoria surgiram dois principios : 1- O Principio da relatividade onde dissertava que as leis fisicas são as mesmas em todos os referenciais inerciais; 2- Principio da Invariância da velocidade da luz, onde a velocidade da luz no vácuo é uma constante universal.

Foi nobel da Física em 1921, mas pelo seu trabalho no campo do fotoeléctrico e não pela teoria da relatividade ainda controvertida

Mas para além disto, Einstein gerou um filho portador de esquizofrenia. Isto para explicar que o maior génio da humanidade não conseguiu suportar a dor de ter de enfrentar uma situação que desconhecia. Segundo rezam as investigações apenas visitou o seu filho "uma vez" no hospital. Apesar de ter uma mente ávida de respostas, deve ter ficado perturbado com a falta de respostas que explicassem a desagregação de inteligência do seu filho. Daí ter sido um pai ausente e distante

Os génios também sofrem?

17 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

Será que a inteligência dos génios não lhes permite saber reagir a situações adversas?

Einstein foi um dos grandes génios da humanidade, graças a ele podemos saber várias coisas a respeito da força gravitacional, do movimento dos corpos...

Margarida Graça disse...

Olá! "Pelo sonho também vamos"

Muito obrigada pelo convite. Também gostei do vosso blog, embora a visita tenha sido curta, com a promessa de que o visitarei mais vezes. Tenho descoberto que o blog pode tornar-se num num divertimento enriquecedor e creio que o vosso vai nesse caminho.

Felicidades para o vosso blog

Rakiely disse...

a meu ver.os génios sofrem tanto, ou talvez mais, que as pessoas 'normais', talvez exactamente pelo que referiu no post: nao saberem lidar com situaçoes que nao conseguem explicar.

muitos dos genios da nossa historia foram tao dedicados aos seus objectivos que acabaram por se isolar do mundo lá fora, da familia e, alguns deles, ate como que deles proprios!

custa saber que ha pessoas que podem ser assim, que reagem mal perante uma adversidade na vida, por nao lhe saberem dar a volta...

no entanto ha que pensar tambem no outro lado da moeda, se nao fosse a dedicaçao desses genios aos seus ideiais, o que teríamos hoje?

abraços, ana raquel*

Francisco Castelo Branco disse...

É graças a eles que hoje sabemos inumeras coisas
Nomeadamente a Einstein. A teoria da relatividade foi muito importante.
Só que a sabedoria tb gera loucura.
E penso que foi o que aconteceu a Einstein...
Porque a sua sabedoria foi toda dedicada para a matemática...
E pensando que nunca iria ter um filho "esquizofrénico"; mas inteligente como o pai, essa situação causou-lhe mossa.
Daí nunca ter sabido reagido

mas todo o sábio é louco?

expressodalinha disse...

Os génios sofrem e muito. Acho que estão quase sempre a sofrer. Deve-lhes fazer impressão a burrice do resto da malta.Ser génio é mau para o próprio!

Pedro disse...

Francisco, isto é a sério? A resposta está naquele verso da Tabacaria, estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer? A lucidez tem um preço: vê como morreram o Kafka, o Ângelo, o Van Gogh, o Nietzsche, o Pessoa. Abandonados, sozinhos, "loucos".

Francisco Castelo Branco disse...

Pois, a loucura ou a genialidade tem um preço

Mas morreram sozinhos, abandonados, loucos porque deram o seu contributo para o desenvolvimento para a humanidade

Talvez não sofressem muito a morrer sozinhos....mas satisfeitos

Pedro disse...

Morreram assim, porque "isto" não vale a pena.

Pedro disse...

O alemão dizia que os livros dele faziam mal. E fazem. O Kafka queriam aquilo tudo queimado. E melhor que assim fora. O Pessoa (venerável Mestre...) deixou-nos aquele escrito terrível, o Livro do Desassossego, e, lá, está tudo. Eles, normalmente, não deixam nenhum "desenvolvimento" - deixam um espelho.

Francisco Castelo Branco disse...

mas que deixaram obra, isso é verdade...

Se um de nós fosse um génio como ele, talvez seriamos loucos

Na actualidade quem é que poderá ser considerado génio?
Não vejo ninguem, mundialmente com capacidade para agora inventar uma teorizeca....

Este caso particular de Einstein e do filho esquizofrénico é particularmente interessante porque só prova que o QI não é conditio sine qua non, para se ter uma vida desafogada e sem preocupações.
Se Einstein era tao inteligente porque nao conseguia relacionar-se com seu filho?

tem a palavra os pais que costumam frequentar este blogue, pk eu só tenho 23....

CatarinaGarcia disse...

A inteligência segundo alguns estudos está de mãos dados com um gene ligado à esquizofrenia. Uma notícia que fala disso encontra-se neste link: http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u60755.shtml
Provavelmente Einstein "deu" o gene ao seu filho, tal como James Joyce o fez à sua filha.
Gostei do blog Francisco,
obrigada pelo email,
Catarina

Clara Belo disse...

É claro que os génios também sofrem, são pessoas como nós. Ao que consta Newton também teve uma depressão.
Quanto ao filho esquizofrénico de Einstein, pela experiência que tenho de amigos que tiveram essa doença, imagino que naquela época deveria ser muito difícil lidar com essa doença. Se ainda hoje é difícil lidar com a doença, imagine-se nessa altura.

Francisco Castelo Branco disse...

Naquela altura era algo de novo...

Carlos Cabanita disse...

Não sei de onde veio essa história de Einstein. Ele teve 3 filhos de Mileva Maric, Liserl, Hans Albert e Edouard, além de 2 filhas adoptivas do casamento com a sua prima Elsa Loewethal. Edouard era o esquizofrénico, embora provavelmente tivesse Asperger, uma forma de autismo funcional, como o pai (e como eu). Apesar de divorciado, visitava frequentemente os filhos. Quando teve de fugir da Europa, teve realmente de deixar o filho internado em Zurique. Ver www.einstein-website.de

Francisco Castelo Branco disse...

E essa distancia fez com Einstein visitasse pouco o filho, daí a sua frieza.
Essa frieza vinha da "não" aceitação ou de nao saber lidar com um problema desses

Yasmin Bittar disse...

Vejam bem,
Einstein estudou os complexos buracos que são capazes de sugar e destruir estrelas e planetas inteiros como a terra. Mas não sabia que na psique humana existem buracos negros, as janelas killer, capazes de sugar e destruir nossa solidariedade, altruismo, lucidez e raciocínio esquemático nos focos de tensão. Por isso o gênio da ciencia agiu em algumas áreas com tanta ingenialidade.

Leiam "O CÓDIGO DA INTELIGENCIA" de Augusto Cury. E quem não entendeu, vai entender o que eu estou falando. Inclusive o autor comenta sobre o Caso Einsten no livro.

Abraço!

Francisco Castelo Branco disse...

obrigado pela sugestão, sou um fan de Cury

Share Button