Etiquetas

segunda-feira, 10 de março de 2008

Mate-se na Arena?

Corridas de Toiros de Portugal e de Espanha

A História dos dois países tem muitos pontos em comum e por esse facto tem muitos costumes e tradições semelhantes. Acontecimentos e limitações episódicas, deram origem a evoluções diferentes nos dois países em muitos dessas tradições que tiveram a mesma origem. Assim aconteceu com as Corridas de Toiros. Houve acontecimentos e episódios que estão perfeitamente identificados e que deram origem a duas formas distintas de realizar as Corridas de Toiros. Em Portugal privilegiando o toureio equestre, desaparecendo a morte do toiro em praça a partir do século XVIII, e com esse facto originando o aparecimento dos Forcados, que é uma exclusividade nacional. Em Espanha onde estes espectáculos se popularizaram mais cedo, privilegiando o toureio a pé e a morte do toiro em praça.

É evidente que a Corrida à Espanhola é mais genuína como manifestação cultural, porquanto está mais próxima da motivação original, que era em terreno fechado o Homem enfrentar a «fera» mais temida e também mais respeitada, numa luta de morte. Digamos que a razão de ser de base dos espectáculos tauromáquicos era a de recriar em campo fechado e tornar públicos, os factos terríveis que se passavam quando alguns tentavam caçar toiros no seu “habitat” natural. Mas também é verdade que a evolução da Arte Equestre, através da motivação tauromáquica, atingiu em Portugal um nível de expressão muito superior ao espanhol. Ainda devemos valorizar que a introdução das pegas, vieram transmitir à corrida portuguesa a particularidade da existência dos Forcados, que introduzem no espectáculo, uma característica única, a que poderemos chamar de “galhardia nacional “.

Porém, apesar desta particularidade, todos os que frequentam simultaneamente as praças espanholas e as portuguesas, reconhecem que a corrida de toiros no país vizinho é mais séria, implica mais riscos, é mais emocionante e tem maior valor artístico. Será que enfrentar um toiro a pé não é um acto de auto domínio mais delicado do que fazê-lo a cavalo ? Será que fazê-lo com um toiro de hastes limpas sem ser embolado não é uma acto de coragem superior? Será que aqueles que o conseguem fazer com suavidade, graciosidade produzindo momentos de beleza estética incríveis, não são seres humanos de excepção ?

E quanto ao toiro …será que ir ferido de morte para um matadouro é mais digno do que morrer em praça ? Não merece esta luta, que implica sempre o risco da vida para o homem, que a morte do toiro seja publica? Não será essa a verdadeira e única forma de reconhecimento para com a nobreza do animal ?

texto de José Andrade, autor do blogue www.toirosefaenas.blogspot.com

7 comentários:

quintarantino disse...

Não aprecio touradas.

Mas entendo que mais valia ao animal morrer na arena.
E que andar ali a cavalo a espetar bandarilhas é muito menos corajoso que tourear a pé!
E que quem os tem no sítio são os forcados.

Tiago R. Cardoso disse...

Mas se nem existisse a tourada, não se colocaria sequer a questão de morrer ou não na arena.

O touro é colocado ali pelo homem, dominado por ele, sendo o homem munido de uma arma, não vejo onde está a igualdade na luta.

expressodalinha disse...

As touradas têm uma simbologia na zona do Mediterrâneo, de que a lenda do Minotauro é o expoente máximo. Presumo que seja um assunto conhecido, pelo que não me ocuparei dele.
Nos tempos modernos essa tradição deixou completamente de fazer sentido. O que remanesce é uma prática circense, destinada a gozar e/ou matar o animal. Não percebo a nobreza! A distinção P/SP é completamente irrelevante, visa deste ângulo. Só por manifesta insensibilidade serôdia se pode defender. De qq forma os argumentos estão estafados. Agora só a ASAE!

Carol disse...

Odeio touradas, mas para existirem que sejam à espanhola! O touro sofre imenso até chegar ao matadouro!
No mais, concordo com o Quin. Quem os tem no sítio, são os forcados!

Desculpa as ausências prolongadas, mas o trabalho a isso obriga.

Francisco Castelo Branco disse...

É preferivel que o toiro, vá já morto para o matadouro.

Para evitar mais sofrimento....

E é mais digno...

Em Espanha, assim acontece. Porque para o próprio toiro é dignificante.

Já assisti a touradas em que toiro já morto, sai sob uma salva de palmas....

Se o touro for mau, não morre.
Não tem dignidade..
Agora compreendo que em Portugal a tradição seja diferente. Por isso mesmo, por tradição...

Francisco Castelo Branco disse...

SIM 22 (17%)

Nao 76 (61%)

Só touradas 20 (16%)

Nao sabe \ Nao responde 6 (4%)

Francisco Castelo Branco disse...

SIM 24 (15%)

Nao 100 (62%)

Só touradas 30 (18%)

Nao sabe \ Nao responde 6 (3%)


Vote nesta enquete

Votos até o momento: 160
Dias restantes para votar: 1273

Share Button