Etiquetas

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

UE: É pelo Parlamento Parte VII

Afinal, o Tratado de Lisboa vai ser ratificado por via parlamentar.
Contrariamente ao que 14% das pessoas que votaram neste blogue á questão colocada. Ah, esqueci-me também da promessa de Sócrates.
Poderia fazer parte daqueles 14%.....................
Não vai haver debate sobre a Europa em Portugal. Mais uma oportunidade adiada. Será que vai haver? Passaram 21 anos sobre a adesão de Portugal á UE e nem um unico referendo. Uma oportunidade para os portugueses participarem na Europa e os partidos esclarecerem as suas verdadeiras posições.....
Esta ratificação pelo Parlamento é uma espécie de escapatória. Para se evitar falar de questões que não tenham a ver com a Europa.
Será esse o medo de Sócrates? Ou será mesmo por questões de tempo e dinheiro? Ou o Primeiro-Ministro não sabe o que é a Europa?
Ainda quero acreditar que a Europa um dia vai ser debatida em Portugal............

7 comentários:

Cleopatra disse...

Mas não Francisco. Nem em todo o lado se pode dar a cara!!
eheheh
isto não é a praia!
Nem estamos em lições de tango ou aulas de surf.,
Olhe, o menino vá mas é estudar.



E quanto ao Tratado, está AGORA!!! agora,m a ser estudado. PODE???
Agora?
parece que os combustíveis nem deviam ter aumentado sem a rectificação total dos Estados.
Agora estão a estudar as implicações do Tratado!!!

Ai ai...

mais vale realmente aparecer na VOGUE!

Tiago R Cardoso disse...

Eu não acredito que algum se consiga debater a Europa de forma que o povo entenda, no fim tudo vai ser aprovado entre a elite politica...

quin[tarantino] disse...

Olha, passa pelo nosso balcão hoje. Procurei ser conciso e gostava de ter lá a tua opinião.
Quanto ao que aqui escreves, junta aí mais uns nomes, por favor. Um é inquilino em Belém. Outro na São Caetano à Lapa.

Francisco Castelo Branco disse...

Cleo...
Para apareceres na Vogue. É muito á frente MSM!!!

Tiago

Então para que servem as eleições europeias, se nem aí se debate a europa mas os problemas do país?

Quin
Acho que nem o inquilino em Belém e em Sao Caetano têm capacidade para escrever neste blogue

Mortágua disse...

Como em tudo, a democracia não é perfeita. Nem sempre a maioria está certa… e nem sempre as decisões tomadas por maioria são as melhores. O caso das nacionalizações é um deles. A construção europeia é e sempre foi uma construção da elite europeia (política e não só), à qual a generalidade da população assistiu sentada… e de longe. Não deveria ser assim mas é. E se não fosse assim, muito provavelmente Portugal nunca teria entrado para a CEE ou para a moeda única. Aliás, muito provavelmente nem haveria projecto europeu. Acho pouco democrático não se referendar um tratado como este, com implicações sérias para o país e para a Europa, mas, sendo honesto, ainda bem que assim o é. Nunca se sabe o que pode acontecer… É que tem sido tradição europeia discutir problemas nacionais e demagógicos quando se debate a Europa.

Anónimo disse...

Pela primeira vez na minha vida, identifiquei-me a 100% com as palavras de Miguel Portas: é a Democracia ao contrário.
A classe política[europeia e eleita] de facto não passa de uma associação de gente menos séria, muito menos séria.
Os tempos que aí vêm são muito perigosos - uma frase que podia ser dita pelo Yoda!
E a metáfora é exactamente esta:
existe um lado negro e os cavaleiros da luz ou praticantes da força etc... nem vê-los.
Eu estou é preocupado com aquele curso e aquele emprego e aquele carro e aquela casa e aquela carreira, entretento está alguém com o respectivo voto, daquele que está preocupado com a vida, a roubar e a tornar a vida um pouco mais difícil, porque enquanto fôr assim ninguém repara no roubo.

João Costa

quin[tarantino] disse...

Eh lá... Cavaco e Menezes... apreciei o remoque!

Share Button