quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Portugal Real parte II

Como é triste a nossa informação televisiva........

O importante são os tigres que andaram à solta na Azambuja( 5minutos de notícia); o protesto da DREL em não sei onde, e a fuga de gás num prédio................

Sobre as eleições Norte-Americanas apenas um minuto de informação........

E não esquecer o quão é importante os treinos dos três grandes nacionais. Não há um dia em que não ficamos a saber se X já pode jogar ou que Y ainda está parado há mais de 5 meses.

E se falarmos de manifestações? É uma rotina diária......... E lá vem o dirigente sindical, o autarca e não falta a vox populi.......

Sobre as eleições nos EUA, apenas um flash de notícias.........

E sobre o que se passa no resto do mundo? A situação no Quénia?A luta contra o terrorismo?

É esta a informação diária nas Televisões.

Claro está que, há que dar voz às pessoas. Saber as preocupações das pessoas.......

Será isso que interessa? Não deveriamos concentrar a informação em aspectos essenciais? Como as eleições Norte-Americanas? É importante saber quem é que vai "liderar" o mundo nos próximos quatro anos........

Mas não! O mais importante são os tigres que fugiram e a lesão de X do clube Z.

É este o país real? Ou será que esta é uma forma de persuasão por parte das estações?
Querem que "entremos" nos problemas pessoais das populações e pessoas?
Só falta mesmo perguntarem aos tigres quem lhes abriu a jaula.........

15 comentários:

Heraclita disse...

Francisco, em Portugal é uma percentagem reduzidíssima de indivíduos que estão interessados em saber quem será o próximo "Brain", aquele que diz que "esta noite [fará] o mesmo que todas as noites: tentar conquistar o mundo..."
Actualmente, o Modelo Agenda Setting (Modelo explicativo do processo de comunicação) corresponde ao procedimento dos media que compreende a selecção, disposição e incidência de notícias sobre os temas que o público fala e discute. Por isso, atribui importância aos media, árbitros entre o indivíduo e uma realidade da qual se encontra distante. Ora, as notícias não são transmitidas ao público "do pé para a mão", por detrás existem processos como o Agenda Setting, Gatekeeping, Newsmaking etc que organizam todas as mensagens noticiosas. É uma questão de audiência e ver o que o "povo gosta". Vê o exemplo da TVI estação perfeitamente sensacionalista, que todos os programas que faz são a pensar nas audiências elevadas... O caso de programas culturais, de debate, etc aqueles que se dizem aborrecidos, qual é a percentagem de audiências? mínima. Repara que entre um "bela e o mestre" e um "prós e contras" os portugueses optam pelo que mais sensacional for, o que mais lhe permite evadir-se de um dia exaustivo de trabalho ou procura de trabalho.
A população gosta é de saber da vidinha dos outros; gostam de saber das desgraças da família que tem uma casa a cair de podre e que, depois, por caridade ou não, alguém muito rico oferece uma casa e terminam todos a chorar... Gostam é de momentos destes e não de saber quem governará a "Grande Potência".
Caro Francisco, PERSUASÃO existe sempre por parte das estações, mesmo que desinteressada...

beijinho, Francisco*

quintarantino disse...

Eu não diria melhor.

Quer dizer, só se for que Edwards e Guiliani desistiram!

Francisco Castelo Branco disse...

Bem Liliana, estou a ver que percebes da matéria.
Concordo com tudo o que disseste.
Agora, não percebo é porque e que nao se muda de mentalidade.
O que é uma verdadeira noticia?
Tudo aquilo que os noticiarios passam é noticia?
Eu sei que as pessoas gostam do sensacionalismo, até porque chegam a casa depois de um dia de trabalho e querem coisas menos leves.
É verdade e concordo.
O que não percebo é a insistência ds televisões nestes aspectos. Nos seus telejornais.
Não poderia haver programas para isso? Por exemplo, no que toca ao desporto, e há programas desportivos que mostram "os treinos"!
Agora, em uma hora de telejornal em que 30 minutos é dedicado a pequenas questões e 5minutos é sobre o mundo.... e o restante é sobre futebol.......
O caso féher, por exemplo....
Quando faleceu, durante a semana seguinte não se falou noutra coisa.
Isto describiliza a nossa informação e torna-a chata e pouco interessante.
Não é de admirar que muitos portugueses queiram optar pela Sky News e CNN. Isso sim, são noticiários com qualidade na informação....
Acho que é uma questão de mentalidade.
Mas mais na SIC e TVI, do que na RTP, embora este esteja a perder qualidade.
E mais. A repetição das noticias.
Isso verifica-se muito na SIC Noticias, em que a noticia de abertura das 9h da manha é a mesma da Meia-Noite.
Não há maneira de mudar isto?

Francisco Castelo Branco disse...

É verdade, quanto a técnicas de persuasão discutimos mais tarde ;)
Heheh

Quintarantino..
Tenho pena que John Edwards tenha desistido da candidatura presidencial. Os seus delegados poderiam decidir a favor de Clinton ou Obama, assim ficamos com a certeza de quem tiver mais, ganhará a convençao em Denver, no próximo Julho.
Quanto aos republicanos, Giuliani foi um desastre. Muito por culpa sua. Ninguém faz campanha num só ESTADO.....

Heraclita disse...

Mudar mentalidades é tão difícil… nem sei que comparação usar para definir tal coisa. É um tormento que já os nossos antepassados acarretaram. Sempre houve um Adam Smith, um Vitor Hugo etc que sonhava com mentes diferentes… É um processo moroso, porém, não impossível. Basta que cada um de nós comece por efectuar a “tal” mudança.
Francisco, uma “verdadeira notícia” será aquela que respeita, à risca, diga-se de passagem, as perguntas (What?, Who?, Where?, When?, Why?, How?) que “orientam” o jornalista aquando a redige? Muitas são as pessoas que são apologistas de que uma “verdadeira notícia” é aquela que capta a atenção do leitor e que “dá que falar”, ou seja, uma notícia bombástica. Cada jornalista noticia à sua maneira. Verdade é o que se vê em muitos jornais… artigos escritos por sujeitos ditos jornalistas e que são uma autêntica vergonha! Não respeitam os parâmetros jornalísticos para escrever uma simples notícia.
Tudo o que passa é notícia, nem que seja para ocupar o tempo, já que em televisão o tempo é ouro! hehe Contudo, algumas notícias são melhor fundamentadas que outras. Qualquer um de nós pode comprovar. Quantas vezes vemos uma reportagem e ficamos com a sensação de que foi uma reportagem hiperbolicamente realizada? Quantas vezes não se percebe afinal o que aconteceu?
O que se verifica, de facto, é que os telejornais, por exemplo, dedicam sempre uma parte a fazer um pouco de “Tardes da Júlia”… Perde qualidade ou não? Fica ao critério de cada um. Mas como bons portugueses, quem é que não gosta de cultura cor-de-rosa? (Isto não é no sentido pejorativo, porque de leitores da “Maria”, da “Ana” ou da “Caras” temos no mundo inteiro.) Ou vão dizer que os intelectuais são aqueles que só vêm Sky News e CNN? Agora não vamos andar a ver BBC etc só para dizer ao amigo erudito que não vemos as notícias da TVI porque são muito pobres de conteúdo, muito sensacionalistas… Admitamos, ainda conseguem boas notícias.
A repetição das notícias podem ter o objectivo de vincular a “ideia”. O quê que aconteceu com o “caso Madeleine”? Falou-se tanto (e fala-se) que as pessoas não ficaram indiferentes… mas, também, é abominável sempre o mesmo tema de abertura de um noticiário… a mesma notícia ao pequeno-almoço, ao almoço e ao jantar, acontece. É para dar oportunidade ao telespectador de estar actualizado, pois pode não ter tido tempo de ligar a televisão aquando quebrava o jejum. hehe
Como mudar isto? Agradar a gregos e troianos é como mudar a mentalidade: é difícil. Mais c’est pas impossible!

Francisco, discutiremos técnicas de persuasão mais tarde e com muito gosto. ;)

Francisco Castelo Branco disse...

Cara Liliana............

Eu não considero que a noticia tem que ter esses trãmites todos.
O que existe é uma falta de cuidado de quem trata a noticia e posteriormente de quem a apresenta.
Por exemplo: Muitas vezes vemos reportagens em directo em que o jornalista repete tudo o que foi dito pelo pivot. Só com isso perde-se dois minutos

A SIC e a TVI sao populistas na maneira como fazem noticias.
Querem chegar mais perto das populações. Não critico isso. Até acho que estações como a SIC e TVI deveriam ter menos informação. Poderiam ter blocos de 30 minutos ou 15 durante o dia......

Não digo que as noticias perdem qualidade chegando ao "coração" das pessoas.
O que acho é que se dá demasiada importância a questões que poderiam ser tratadas noutros espaços que não um telejornal.
E que muita vez no noticiário da noite se repete o que foi dito ao almoço e posteriormente o jornal do meio dia, repete noticias da noite anterior......

Como a SIC e TVI adoptaram este modelo há bastante tempo; ainda se pode escolher a RTP. Mas o que venho a verificar é que a estação publica também está a adoptar o conceito das privadas......

Claro que em primeiro lugar estão os problemas do país e depois os do mundo; embora muitas vezes estas sejam ultrapassadas pelas noticias do desporto, perdão; futebol.

Há demasiada repetição nas noticias.
Muita falta de qualidade nestas.
Muito pouco conteúdo.
Pouca coisa a dizer naquela noticia, às vezes até parece que aquela informação está lá por estar. Para preencher um espaço que obrigatoriamente tem que ser preenchido.......

A nossa informação televisiva (era para ser esse o titulo do post) está a perder qualidade, muito por culpa das noticias que diariamente nos são dadas

Ricardo S disse...

Antigamente informava-se, davam-se notícias. Hoje em dia vendem-se notícias, dá-se aquilo que as pessoas querem ouvir: novelas da vida real, vida dos famosos, futebol e sangue, muito sangue e desgraças...
É a ditadura dos "shares"...
Cumprimentos.

Heraclita disse...

Sim, Ricardo, as notícias vendem-se. É a realidade...

Francisco Castelo Branco disse...

Mas as noticias fazem-se ou vendem-se?

Miguel disse...

Meu caro infelizmente a realidade que apresenta é a triste realidade do nosso quotidiano. Por estas, entre outras, não sinto orgulho em ser português. O povo sabe que está num atoleiro e ainda acha graça, veja-se o caso de Alijo. Portugal dá-me a sensação que está parado no tempo e que ainda vivemos na lógica dos "três f" "Fátima, Futebol e fado". Continuamos mergulhados na estupidez, para não dizer outra coisa, então exonera-se dois ministros e mantem-se a mesma política dos ministérios?! O da cultura nem comento, que é uma vergonha nomeadamente na difusão da língua portuguesa no estrangeiro, que já perdemos para os nossos "irmãos" brasileiros. Aliás aproveito para contar uma experiência qdo estive recentemente em S. Paulo em que la há um museu EXCLUSIVAMENTE dedicado à língua de Camões. E nos não temos nada ainda!

Em suma, como já disseram anteriormente "as notícias são para venda", ou seja, as notícias que têm maior quota são aquelas que geram mais share nas audiências nesta guerrinha de televisões.Somos um rebenho de ovelhas crendo ser livres! Os nossos media em vez de formarem indivíduos forma rebanhos.

Heraclita disse...

As notícias fazem-se para vender. hehe

Heraclita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco Castelo Branco disse...

Então, Liliana o que é para ti uma boa noticia?

Francisco Castelo Branco disse...

Miguel não posso estar mais de acordo!
O nosso noticiário forma rebanhos e não pessoas.
Que será preciso fazer para formar pessoas?

cris disse...

Vou estrear-me aqui. primeiro, felicito-o, Francisco. O blog provoca e faz pensar. algo que vai fazendo falta por cá.
Qaunto ao tema do post, vivemos numa desinformação constante que pretende colocar todos em estado letárgico. por isso nem vejo noticiários. Quanto ao ruler of the world, para falar verdade, nem me preocupa muito a escolha dos americanos. primeiro porque não é depois da escolha que nos iremos poder agarrar seja ao que for para mudar o que quer que seja. Depois, a máquina existe e apenas mudarão a face da mesma. Não concorda?

Creio que para formar pessoas, a dose de simplicidade, de verdade, de bondade teriam que aumentar. Os políticos e informantes deveriam ser menos perversos e mais transparentes, menos materialistas e mais sensatos.



bom domingo

Share Button