quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Morte de uma democrata

Corre mundo a notícia de que a ex primeira-Ministra e candidata ás eleições no Paquistão, Benazir Bhutto foi assassinada. Não foi um acidente. Foi com intenção? E que com propósito?
É de esperar que a Comunidade Internacional reaja a este acontecimento. Nomeadamente, por parte dos EUA e da NATO.
Estará a democracia no Paquistão condenada? Este acto revela um medo daqueles que não querem uma democracia naquele país?
O que aconteceu no Paquistão pode influenciar outros países vizinhos que querem uma mudança? E como reagirá a Comunidade Internacional perante tão macabro acontecimento?

12 comentários:

Carol disse...

Um assassinato a sangue-frio nunca pode ser acidental. A democracia no Paquistão, assim como noutros países em que não existe liberdade de expressão, continuará a ser uma utopia e dificilmente se tornará realidade.
O Mundo vai atirar com palavras bonitas e politicamente correctas, mas nada fará. Essa é a sua postura normal, infelizmente...

Francisco Castelo Branco disse...

Carol, não acredito que o Mundo nada vai fazer. Nem essa a postura.
Pelo menos não é essa a postura Norte-Americana. Veja-se o caso do IRAQUE.
Quanto ao resto, Russia, India e ONU, as coisas vão ficar na mesma. É melhor não incomodar os muçulmanos, não vão eles reagir de forma violenta.
Também acho que não foi acidental.
O assassinato de Butto é um ataque contra a democracia nos paises muçulmanos.
Até quando vamos assistir a mais casos destes?

Carol disse...

Hum... Que perspectiva do Mundo tão diferente que nós temos...
Os E.U.A., nomeadamente este presidente, só agem em função dos seus interesses. Bin Laden foi, durante anos, protegido por esse país. Claro que, muitas vezes, o feitiço vira-se contra o feiticeiro... A intervenção no Iraque nada fez pelo povo Curdo (que hoje sofre às mãos dos Turcos, enquanto no passado sofria a acção prepotente de Saddam).
Sinceramente, não acredito que algo de concreto vá ser feito.

Francisco Castelo Branco disse...

Porque se calhar o Paquistão é um país estratégico dos EUA. Recordo que Musharraf deu o seu apoio a Bush na invasão do Afeganistão.
Nunca se sabe o que o futuro nos reserva..........
Hoje amigo, amanhâ inimigo.
Ate que ponto este acontecimento poderá mudar a relação EUA\Paquistão, EUA\combate ao terrorismo e Paquistão\combate ao terrorismo

Carol disse...

A verdade é que assassinaram uma democrata. Foi, de facto, uma machadada no sonho da democracia, mas continuo a acreditar que essa chegará. Pela mão, pela luta do povo e não pela intervenção do Mundo. Pelo menos, assim o espero.

quintarantino disse...

Se me permitem a intromissão... adivinhava-se que cedo ou tarde este desfecho.
Musharraf com a sua política de semi-cumplicidade com os sectores mais radicais do islamismo potenciou um desfecho destes. Penso que terá cometido, não aqui mas antes, um erro de palmatória. Permitiu que lhe entrasse pela porta dentro o "Afeganistão" e agora não haverá meio de o de lá tirar.
Quanto às expectativas de acção, penso que iremos ter de nos quedar por isso mesmo: expectativas.
Musharraf continua a ser uma espécie de parente indesejado mas que tem qualquer coisa que nos obriga a aturá-lo. No caso, os EUA necessitam de ter aquele flanco mais ou menos seguro.

Carol disse...

Bem, Francisco, com isto arrumo a viola no saco e faço-me à vida! Acho que as palavras do Quin resumem tudo.
Benazir morreu, mas que a luta não morra com ela!

Francisco Castelo Branco disse...

Quin concordo contigo.
Acho que um dos grandes culpados desta situação é o Afeganistão.
Não deixa o Paquistão estar junto dos EUA.
Quanto á questão de Benazir não sei o que realmente terá levado á morte dela. Mas nos próximos dias acho que vamos saber

Carol, concordo contigo.
Que a luta pela democracia continue por esse mundo fora. Se bem que na minha sondagem ainda existem pessoas que votaram na ditadura como regime politico preferencial

Cleopatra disse...

O filho de Benazir vai concorrer.
A oposição já não pensa boicotar as eleições
Se Musharraf aliar as eleições por 3 meses como diz querer fazer só demosntra que o partido de Benazir, havendo neste momento eleições vai ganhar.
É pena que o filho tenha só 19 anos, porque tem de voltar aos estudos se ganhar.

Se Musharraf adiar as eleições por três meses como pretendia antes desta candidatura, então para mim ...o medo está confirmado.

Francisco Castelo Branco disse...

Cleo....

Não há duvidas de que á medo.
Agora, por parte de quem? Musharraf? Al Qaeda? Fundamentalistas paquistaneses?

Nao acredito que o filho ganhe.
Tem só 19 anos e não tem o carisma nem a força da sua mãe.
Se ganhar é por pena.
Mas Benazir era um referência.
Não há outra igual.....
Pelo menos por agora.....

Marco Daniel Raposo disse...

Bem, de uma coisa não podem haver dúvidas: a instabilidade política a que se assiste em certas zonas do globo, ameaça o modo de vida, tal qual o conhecemos em todo o mundo. Há quem diga que o mundo mudou com o 11 de Setembro. Eu não concordo. O mundo já estava muito mudado, só que ninguem tinha ainda reparado. A morte de Bhutto é apenas mais um triste incidente a caminho daquilo que mais incerto é neste momento, ou seja, o futuro. As relações do Paquistão com os seus vizinhos nunca foram as melhores. Poder-se-á dizer mesmo que a diplomacia não é uma qualidade do povo paquistanês. A subserviência comodista com que se alia às grande potências, nomeadamente agora com os EUA, fazem com que se crie um mal-estar não região que em nada ajuda a criar a estabilidade desejada. Não digo com isso que o Paquistão deveria adoptar uma postura anti-americana! Apenas acho que a bem da região deveriam adoptar uma postura "personalizada".

Mais concretamente a propósito do bárbaro assassinato de Bhutto, entendo ser muito mau para o país e para a democracia em geral, que uma líder (sim, porque Bhutto era uma líder) desapareça desta forma. Não sei se terá sido Musharraf ou outro adversário que encomendou um acto tão bárbaro, mas isso também, a não ser pela necessidade de punir o responsável, não interessa nada, uma vez que transformou Bhutto numa mártir, num exemplo a seguir. Ela desapareceu, mas o seu legado viverá. Apesar de tudo, é necessário também lembrarmo-nos do passado de Bhutto. Os escandalos e as acusações de corrupção que levaram ao exílio é algo que a bem da história e da justiça não podemos esquecer. Ninguém é santo. Bhutto também não foi.

Francisco Castelo Branco disse...

Concordo com o primeiro parágrafo.
Acho que o 11 de Setembro só veio acentuar um problema que se chama terrorismo. Antes do 11-9 já havia terrorismo. Naturalmente......
Quanto ao Paquistão, acho que este país é muito falado devido á sua aliança com os EUA. Principalmente, aquando da invasão norte-americana ao Afeganistão.
Penso que o Paquistão é visto como "um não-alinhado" em relação a outros paises da zona, que teimam em "castigar" o ocidente.
Acho que a morte de Bhutto pode ter vindo desta questão.
Se fosse eleita, muitas coisas mudariam naquela região......

Share Button